Finn

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define saúde como: “o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não simplesmente a ausência de doença”. A prevenção é uma questão de mudança no estilo de vida. Portanto, entender um pouco mais sobre os alimentos que compõe a nossa dieta é fundamental. O Ministério da Saúde considera que o consumo de açúcar de adição está entre os marcadores utilizados para avaliar a qualidade da dieta e é um dos fatores associados ao aumento da obesidade e do diabetes.

Uma pesquisa realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), nos anos de 2008 a 2009, estimou que 61% da população brasileira estava com consumo de açúcar simples além do recomendado. Gestos simples e que podem ser facilmente incorporados na rotina podem fazer grande diferença na qualidade de vida. Assim, pequenas atitudes como a substituição de bebidas e alimentos ricos em açúcares por suas versões “sem adição de açúcares” e a substituição do açúcar de adição por adoçantes sem calorias (ou com pequena quantidade de calorias) são algumas das estratégias para reduzir este componente da dieta.

Vale lembrar que a escolha do adoçante dietético deve ser feita de acordo com o paladar de cada indivíduo, uma vez que todas as substâncias disponíveis são seguras para consumo e seguem as regulamentações da ANVISA (Agência Nacional e Vigilância Sanitária).